Gisele Vieira

Gisele Vieira

Sou Gisele, moro em Várzea Grande MT,tenho 31 anos, casada, mãe de duas filhas de 13 e 05 anos. Minha história com  reumatismo teve início em 2009 comecei a sentir dores nos 2 joelhos, fui diagnosticada com TENDINITE BILATERAL, submetida a anti-inflamatórios e fisioterapia, por vários meses teve efeito, já em 2010 a fisioterapia se tornou um castigo, entrava com dor e saia chorando novo diagnóstico ARTROSE, fiz várias infiltrações, passei a ter dores no nervo ciáticos. sofri meses com essa dor insuportável, nesse mesmo ano ja tinha pedido demissão dos 2 últimos empregos recentes, pois dormia e acordava com dor, passei a ter dificuldades em realizar gestos simples como levantar de manhã ,uma hora pra pegar no tranco ,costumo dizer, pentear os cabelos escovar os dentes, abaixar nem se fala, com tantas dores e passada por tanto médicos que diziam que era inflamações nas juntas e não era reumatismo ,pois eu não tinha idade pra isso, quase pirei, pois sentia dores no corpo inteiro diariamente, irritada e nervosa porque  os remédios já não faziam efeitos, fazendo uso exagerado de corticóides ( uma benção no começo ,pois senti com efeitos depois),

Enfim o que tava ruim, começou a piorar comecei a sentir fortes dores no peito( osso esterno) inchava e e a dor dificultava os movimentos, como estender roupas, cortar uma cebola, levantar os braços., quando então conheci um ortopedista que me avaliou muito bem e diagnosticou como ARTRITE REUMATOIDE FATOR NEGATIVO e FIBROMIALGIA, novos exames, cintilografia apontava ALTERAÇÃO NA OSTEOGÊNESE EM ARTICULAÇÃO MANUBRIO ESTERNAL, com os resultados fui encaminhada a um reumatologista (o melhor da cidade) o que diziam, esperei por meses eufórica por essa consulta, depositei minha esperança em mudar meu quadro, exames na mão, dor até na alma fui lá, depois que ele olhou os exames, disse: não é fibromialgia e artrite negativa não existe, continuei com os anti-inflamatórios e  corticóides por um tempo…Hã??Como??? senti meu mundo cair, ele simplesmente  não levou em consideração meu quadro, anos de dores e a cintilografia disse que era só uma inflamação. Revoltada,com a dores em alta, já no 4º reumatologista, com várias internações para tomar remédios na veia as crises eram mais fortes e mais frequentes, implorei por um exame tomografia do peito, resultado ESCLEROSE NA MEDULAR ÓSSEA, fui encaminhada a um cirurgião torácico que recentemente havia chegado a Cuiabá, me avaliou muito bem, ouviu toda minha revolta com o descaso de vários médicos, logo me explicou a gravidade da situação, tinha um tumor (benigno de 5 cm) colado  no osso esterno, tinha que ser retirado junto com o osso, admirado disse ainda que é raro uma anomalia assim, fiz todos os exames pré operatórios, com o emocional abaladíssimo, triste pela minha família e confiante no médico, a cirurgia foi realizada no dia 11/10/2011, ocorreu tudo bem graças a deus, muita dor no pós operatório, a análise confirmou a esclerose óssea, hoje dia 03/10/2012, sinto novamente as mesmas dores torácicas, dores nas juntas, principalmente nas mãos e com as mesmas dificuldades de antes, com a diferença que não me assustam como antes, amadureci mais ainda, semana que vem volto a fazer exames pra ver com está e levar no INSS, a advogada disse que tenho grandes chances de aposentadoria.

Depois que conheci a Priscila em uma reportagem na televisão, na hora me identifiquei com ela, através do blog dela passei a conhecer tudo sobre reumatismos e percebi que quando compartilhada a dor diminui sim, acho que o entendimento da doença  ajuda com o lado piscológico também, aprendi que ‘A  MELHOR FORMA DE VENCER O INIMIGO É CONHECÊ-LO BEM” ..