Anti-CCP e Hla-B27 nos Planos de Saúde

Não tem cobertura porque não tem um código na tabela CBHPM, simples assim! Como incluir? vamos lá..

A cobertura de dois exames utilizados em larga escala na reumatologia, não tem cobertura obrigatória nos planos de saúde. A justificativa para a não cobertura é simples de ser resolvida;

Ambos os exames não tem um código de cobrança em uma tabela chamada “CBHPM”, a tabela CBHPM não é a mesma coisa que a tabela AMB, a tabela AMB consta o código para a realização desses dois exames. Para esses exames passarem a ter cobertura obrigatória, basta a inclusão dos exames nesta tabela.

Acreditamos que em breve a associações médicas, farão essa inclusão e como Grupo de Pacientes, estaremos de olho nessa inclusão e na oferta deste exame que é necessário para o diagnóstico e acompanhamento da Artrite Reumatoide e Espondilite Anquilosante.

Alguns planos de saúde, fazem essa cobertura por se basearem no código existente na tabela AMB “Associação Médica Brasileira”.

Durante as reuniões do Grupo de Trabalho para atualização do novo Rol de procedimentos da ANS, ficams sabendo que a “AMB – Associação Médica Brasileira” fará em breve a solicitação de inclusão desses dois exames.

Seguimos torcendo pela cobertura justa e igualitária em todos os planos de saúde, porque no SUS, praticamente só tem acesso quem está nos grandes ambulatórios, muitas cidades pequenas não tem suporte a estes dois importante marcadores.

No meu entendimento, fornecer os medicamentos é um direito fundamental, porém, fornecer condições para o diagnóstico correto e bem orientado é também de extrema importância, afinal, como dar os medicamentos de doenças que não se viabiliza condições para diagnóstico precoce!

Não foi nesse Rol + vamos ficar de olho nessa inclusão!!

 

Exame Anti-CCP no diagnóstico da Artrite Reumatoide

“A determinação dos anticorpos anti-CCP pode certificar um diagnóstico de AR em 80% dos pacientes . Infelizmente, como todo teste sorológico, um resultado negativo pode não excluir a doença”

Artrite Reumatoide 

Anticorpos Anti Peptídeos Citrulinado Cíclico

A Artrite Reumatoide (AR) é uma doença autoimune Sistêmica comum que pode atingir a 1% das populações. É caracterizada pela inflamação crônica da sinóvia (membranas que recobrem as articulações), que geralmente leva a uma destruição progressiva das juntas e na maioria dos casos à incapacitação e redução da qualidade de vida dos pacientes.  As evidências dos estudos clínicos, nestes últimos anos, sugerem que a terapia agressiva e precoce.

O soro de pacientes com AR contém uma variedade de anticorpos direcionados contra auto-antígenos (substâncias ou componentes próprios do corpo).

O anticorpos mais conhecido é o anticorpo fator reumatoide (FR), direcionado contra o domínio constante de moléculas IgG (a imunoglobulina G). A presença de FR é um dos critérios ARA (American Rheumatism Association) para a classificação da AR.

Embora o teste de FR tenha boa sensibilidade para AR, não é muito específico para a doença, pois também, como pode ser visto no quadro abaixo, pode ser detectado no soro de pacientes com outras doenças reumáticas e inflamatórias e também em uma porcentagem substancial da população saudável, principalmente na terceira idade. Foi demonstrado em diversos trabalhos que anticorpos perinucleares (APF) e anti-queratina (AKA) são muito mais específicos para AR, embora hoje seja conhecido que eles reagem contra a filagrina nativa e passaram a ser tratados como anticorpos anti-filagrina (AFA). Em 1995, Sebbag e cols., demostraram que todos esses anticorpos eram direcionados para a citrulina contendo epítopos. A citrulina é um aminoácido não padrão, pois não é incorporado em proteínas durante a síntese protéica, sendo gerada via modificação pós-translacional de resíduos de arginina pela enzima arginina-peptidil-deaminase (PAD). Em 1998, Schellekens cols. Descobriram que peptídeos lineares contendo citrulina eram muito específicos para anticorpos anti-AR  (aprox.. 96%) em ensaio por método ELISA. Um artigo subsequente demonstrou que variantes cíclicas destes peptídeos, chamados peptídeos citrulinados cíclicos (CCP), eram igualmente específicos para AR, mas com maior sensibilidade que dos peptídeos lineares. Um novo grupo de Peptídeos Citrulinados Cíclicos  (CCP2) foi considerado superior que o CCP original, com maiores sensibilidade e especificidade.

Em 2007, a Liga Européia contra o Reumatismo (EULAR) publicou diretrizes para o diagnóstico precoce de AR, incluindo o Anti-CCP como o principal teste no diagnóstico precoce da Artrite Reumatóide.

Com o teste sorológico do Anti- CCP, 80% ou mais casos de Artrite Reumatóide poderão ser diagnosticados. Em comparação com a pesquisa ou dosagem do Fator Reumatóide, o Anti-CCP é mais específico, resultando em resultados mais adequados.

Os anticorpos anti-CCP já  ocorrem nas fases iniciais da doença, e em muitos casos duvidosos sua detecção pode ter um papel importante na decisão de se iniciar um tratamento específico precocemente, prevenindo severas lesões mais tarde.

 Sintomas iniciais da artrite reumatóide

  • Rigidez das juntas (geralmente pela manhã com duração de aproximadamente 15 minutos);
  • Inchaço das juntas (leves deformações das juntas dos dedos);
  • Cansaço ou exaustão.

 

Sintomas tardios

  • Deformidades em “pescoço de cisne”(curvatura das juntas dos dedos, geralmente similares para uma só direção);
  • Nódulos Reumáticos (protuberâncias avermelhadas na região das juntas);
  • Desvio ulnar dos dedos (curvatura dos dedos em direção ao quinto dedo).

Em pacientes com quadros exuberantes, com todos os sintomas e sinais acima o diagnóstico pode ser realizado sem o auxílio laboratorial. As imagens de Raios-X são típicas.

Entretanto, o diagnóstico é mais difícil em pacientes com sintomas menos pronunciados, principalmente nas fases iniciais da doença. Há uma relação clara entre o diagnóstico precoce da doença e a prevenção das consequências severas da doença.

Os anticorpos anti-CCP podem aparecer alguns anos antes do aparecimento dos sintomas e antes do Fator Reumatóide se tornar positivo.

Comparação do anti-CCP com o Fator Reumatóide:

Casos clínicos

Anti-CCP

Fator Reumatóide

Pacientes com Artrite Reumatóide

80-85%

69-79%

Outras doenças reumáticas

3-8%

10-70%

Pacientes com doenças infecto-contagiosas

1-2%

22-62%

Doadores sãos de sangue

0%

5-10%

Especificidade para Artrite Reumatóide

98%

63%

Sensibilidade para Artrite Reumatóide

98-100%

85-92%

Vantagens do Diagnóstico Precoce

Uma vez instalado o caso de AR, o tratamento é realizado com drogas que inibem o processo inflamatório, que reduzem a dor, com cirurgias que possam minimizar os danos causados pela doença e por fisioterapia. Entretanto, os danos severos e as limitações dos pacientes podem ser evitados pela implantação precoce do tratamento específico, nas fases iniciais da doença, livrando-os das graves consequências da doença. Os primeiros meses da doença são os mais críticos, pois os sintomas são atípicos e um diagnóstico clínico preciso pode não ser realizado e o tratamento médico pode ser iniciado tardiamente.

Dois exames podem ser considerados de extrema importância para o diagnóstico precoce da AR: Ressonância Magnética e a pesquisa de anticorpos anti-CCP.

Em uma grande porcentagem de pacientes os anticorpos anti-CCP aparecem anos antes dos primeiros sintomas da AR.

Porém, no início da doença, quando as primeiros alterações articulações se instalam, a determinação dos anticorpos anti-CCP pode certificar um diagnóstico de AR em 80% dos pacientes e indicar o imediato início do tratamento específico, diminuindo a possibilidade dos efeitos severos da doença. Infelizmente, como todo teste sorológico, um resultado negativo pode não excluir a doença, mas o clínico pode acompanhar o paciente com novos testes ao longo do tempo.

Fonte: Grupo São Camilo Medicina Diagnóstica